O q vc tá procurando? Digite aqui

29 de janeiro de 2016

CINCOeUM: Trilogia MUNDO EM CAOS, de Patrick Ness


(Com alguns leves spoilers, mas nada que vá atrapalhar a experiência de leitura)

Cinco motivos para ler e um porém, desta vez com a trilogia MUNDO EM CAOS, formada pelos livros O MOTIVO, A MISSÃO e A GUERRA


1- Patrick Ness cria um universo novo, com mitologia própria, apesar de não ser um livro de ficção fantástica, propriamente dito. Nessa história, o último garoto de Prentissburgo, Todd Hewitt, está prestes a completar 13 anos, idade com a qual todo menino passa a ser homem. Neste lugar em que ele vive, todos os homens conseguem ler os pensamentos uns dos outros, assim como dos animais. Denominado de “ruído”, esse fenômeno aparentemente sempre acometeu somente os homens e, na linha temporal em que a história é narrada, as mulheres já não existem mais. Até um belo dia em que Todd encontra uma garota chamada Viola, com quem empreende uma fuga ao perceber que há algo de errado na cidade e que tudo que ele conhecera não era exatamente como ele pensava, e gente poderosa está atrás dele.

2- Misturando distopia com ficção científica e pitadas de fantasia, a trilogia MUNDO EM CAOS vai se estabelecendo de maneira muito peculiar. Você fica por várias vezes tentando entender se a história se passa na Terra ou em outro planeta, e há menções a naves espaciais e colonização, sem falar dos seres peculiares conhecidos como Spackles, que parecem uma mistura de humanos com extraterrestres. Ao longo da leitura, você vai se dando conta do que está acontecendo, assim como onde realmente a história está se passando.

3- Deve ter sido um enorme desafio desenvolver um enredo em que a maioria dos personagens tem acesso aos pensamentos dos outros, ou seja, como usar elementos-surpresa na história, se a própria narrativa em primeira pessoa é escutada e comentada por um ou outro personagem (já que a narrativa nada mais é que o pensamento puro de quem está narrando, no caso, Todd)? Mesmo assim, Ness faz um trabalho de mestre e consegue administrar essas supostas complicações e nos envolver em sua obra. Posteriormente, a narrativa se torna alternada e Todd não é mais o único a narrar os eventos.

4- O livro A MISSÃO (segundo na trilogia) é bastante lento e parece querer pontuar minuciosamente cada circunstância apresentada, bem como novos personagens que surgem. Entretanto, nas últimas 150 páginas o ritmo se torna frenético e começam a acontecer reviravoltas após reviravoltas, fazendo valer a pena cada página lida até chegar ao final. Como livro intermediário, ele cumpre com maestria sua função de interligar os fatos e mostrar a evolução dos personagens, além, é claro, de preparar o terreno para o livro final.

5- O final da trilogia, intitulado A GUERRA, não tem esse nome à toa. Na minha opinião, é o título em português que mais faz jus ao que realmente é retratado. A história do volume 3 é uma guerra praticamente sem fim, e mais uma vez acompanhamos os personagens ainda mais evoluídos, expostos a decisões cruciais, numa guerra com três lados, divididos entre alianças, batalhas, alegrias, dores, surpresas... Há um terceiro personagem-narrador aqui bastante inesperado, onde Ness não mediu a dose poético-filosófica nos textos referentes ao que é contado por este personagem. Ao fim da história, temos a certeza de que todos os personagens foram bem construídos: os heróis, os vilões, os não-tão-bons-nem-tão-maus, os coadjuvantes...

O PORÉM: A leitura vale muito a pena... Mas é preciso uma boa dose de paciência, pois existem vários pontos em cada um dos três livros em que a história parece não evoluir e dá a impressão de que você está lendo a mesma coisa o tempo todo. Chega até a dar vontade de encostar o livro, levando-se em conta que todos tem mais de 400 páginas (o último, mais de 500). Entretanto, siga firme, pois é uma história bastante diferente de todas as propostas distópicas (não que eu conheça tudo sobre isso, mas tenho convicção de que não estou falando bobagem, rsrs), com uma trama bem amarrada. Outra coisa bastante chata é que na edição da Editora Pandorga, em especial os livros 2 e 3, existem várias falhas de revisão de texto. Apesar da ressalva feita na abertura dos livros, sobre a tradução ter resolvido manter os vícios de linguagem de alguns personagens e suas peculiaridades linguísticas, dá pra sacar o que é fidelidade à proposta do original e o que foi vacilo da edição brasileira.

TRILOGIA "MUNDO EM CAOS"
1- O motivo (Editora Pandorga/ 437 páginas)
2- A missão (Editora Pandorga/ 487 páginas)
3- A Guerra (Editora Pandorga/ 543 páginas)

Nenhum comentário: