O q vc tá procurando? Digite aqui

19 de junho de 2011

A LOUCURA DE CONFIAR



Eu sou do tipo que, quando confio nas coisas e pessoas, fico com um pé atrás. Confio desconfiando. É que às vezes passamos por tantas experiências desagradáveis na vida, que o ato de confiar em algo ou alguém acaba sendo um dos mais desestruturados.
Também pudera! Nunca se viu tanta gente ferida e abusada moralmente. Em todos os âmbitos e relacionamentos sociais, nos ambientes de trabalho, na política e até nas igrejas. Temos perdido bastante do lado bom que compõe nossa essência, já que ao se abalar a confiança, alimentamos um pouco mais o lado mau, digamos assim. Deixamos de levar certas pessoas um pouco mais a sério, em virtude da sensação de “já termos visto esse filme antes”, reduzimos a quantidade de vezes em que damos chance ao novo, por receio de “quebrar a cara”. É interessante como isso se encaixa em casos variados, como a perda de um emprego, uma traição de amizade, o fim de um namoro ou casamento e escândalos sexuais envolvendo autoridades em que supostamente deveríamos confiar.
Não que isso seja de todo ruim. Creio que seja muito bom ter essas experiências, contanto que possamos transformá-las em armas para nosso amadurecimento. É preciso ser adulto para saber seguir a vida com a consciência de que nem tudo sempre será do mesmo jeito porque mágoas foram geradas no passado. Entretanto, quando somos impactados principalmente de onde menos esperamos, uma série de problemas pode ser desencadeada, podendo, inclusive, criar em nós profundos sentimentos de rejeição àquilo que aspira por nossa confiança, deixando-nos presos entre os escombros do que foi o fim de nossos mundos particulares.
A Bíblia tem uma passagem interessante em Jeremias 17:5, em que ressalta o quanto é danoso depositarmos demais nossa confiança no homem, enquanto nos versículos 7 e 8, ressalta a diferença que é quando se confia no Senhor. Não é que devamos olhar para tudo e todos como se fossem cobras prestes a nos dar o bote, mas se trata do cuidado com nossas próprias vidas, principalmente se ela já tiver sofrido danos aparentemente irreparáveis, com feridas ainda não saradas. Uma vida com a confiança abalada é uma vida frágil, que precisa de compreensão e ajuda o tempo todo. Minha dica para quem gostaria de recuperar um pouquinho a confiança no ser humano: crie coragem primeiro, antes de dar esse louco salto de fé. 

5 comentários:

Babi Leão disse...

Que texto gostoso de ler! Estava justamente precisando ler isso para refletir mais um pouco. É uma palavra que vem sendo soada com bastante intensidade ultimamente em meu coração. Tenho tido a necessidade de ajudar uma pessoa querida que está digamos... Com medo, não sei se desconfiada é a palavra certa. E o seu texto só veio a confirmar o que eu pensava antes: "tolo é o homem que confia no homem". Isso não é o fim do mundo! Devemos pegar TODAS as nossas experiências (por piores que tenham sido) como forma de aprendizado para sempre aperfeiçoarmos e sentirmo-nos satisfeitos e não como forma "traumática". Amei o texto, obrigada pela edificação, Deus te abençoe grandemente! Beijao!

Genny LiMo disse...

Reflitamos! ^^

JOELGRAFIA disse...

Ei Vinícius...
Como estas?
Tem uma pequena postagem nova no meu blog.
Abraço,
Joel.

Aalsmeer disse...

ciente!

Cris disse...

O ser humano realmente não deve ser a base de nossa confiança, mas também não devemos desconfiar de tudo e de todos em todo o tempo. Há a desconfiança saudável, que te torna crítico, e há a desconfiança doentia, como aquela que acaba com relacionamentos e cria situações que não existem. Ainda bem que nosso Deus é digno de toda confiança, do contrário, que triste vida seria a nossa!